segunda-feira, 25 de abril de 2011

Cantigas Infantis (?)

Se tem algo que me intriga desde criança, são as cantigas infantis.
Claro que eu, assim como tantas outras crianças, cansei de brincar de roda cantando algumas dessas “preciosidades”. Mas depois que a brincadeira acabava, muitas vezes eu ficava refletindo sobre as letras das canções.
Meus pais é que sofriam com os “por quê isso, mãe?”, “por quê aquilo, pai?”… E, é claro, nunca obtive a menor atenção (nem mesmo dos professores) quando eu saía por aí perguntando, por exemplo, porque uma casa que não tinha teto, não tinha parede, não tinha chão, enfim, não tinha nada, era "engraçada"…
O curioso é que, ainda hoje, cada vez que ouço alguém cantando uma dessas cantigas, parece que volto no tempo e as mesmas dúvidas ainda me incomodam.
E é impressionante o quanto algumas letras dessas cantigas beiram o absurdo.

Vejam só algumas que eu lembrei:


"Samba Lelê tá doente / Tá com a cabeça quebrada / Samba Lelê precisava / De umas 18 palmadas" 
Olhem isso! O pobre do tal Samba Lelê, só porque está doente e com a cabeça "quebrada " merece levar 18 (!?) palmadas? E depois ainda dizem que eu, às vezes, sou um tanto quanto implicante…

 
"Eu sou pobre, pobre, pobre de marré, marré, marré / Eu sou rica, rica, rica de marré..."
 O interessante é que nesta aqui, a criança aprende desde cedo as diferenças socias…

 
"Fui morar numa casinha-nha infestada-da de cupim-pim-pim..."
E a pobre criança sai olhando as paredes à cata de furinhos na sua casa velha…
 

"A canoa virou / Pois deixaram ela virar / Foi por causa de [fulana] / Que não soube remar. " Que espetáculo, não é mesmo? O sentimento de culpa deve ser introjetado desde cedo nos pequenos…

 
"Maria, tu 'vai' ao baile / Tu 'leva' o  xale / Que vai chover / E depois / De madrugada / Toda molhada / Tu 'vai' morrer" A pobre criança que esquecer o casaquinho vai surtar achando que pode, a exemplo da tal Maria, cair mortinha… Afinal, resfriado para quê, não é mesmo? Bom mesmo é morrer de uma vez…
 
 
"Terezinha de Jesus / De uma queda foi ao chão”  
Até a pobre mulher se esborracha no chão nas cantigas dos pequenos...


 

 
 "O anel que tu me destes / era vidro e se quebrou / o amor que tu me tinhas / era pouco e se acabou"... A criançada aprende cedo que o amor é frágil, pode “se quebrar” e se acabar por qualquer coisinha…



 "O cravo brigou com a rosa / debaixo de uma sacada / o cravo saiu ferido / e a rosa despedaçada / o cravo ficou doente / a rosa foi visitar / o cravo teve um desmaio / e a rosa pôs-se a chorar..."  Tragédia pouca é bobagem, não é mesmo? Nem as flores escapam…



 "Boi, boi, boi / Boi da cara preta / Pega esta criança / que tem medo de careta..."... Ah! Essa é espetacular!!! Imaginem que sono “tranquilo” tem a criança que adormece ouvindo que um boi com a cara preta vem lhe pegar?

ou então:
Essa aqui, então, é insuperável!!! Que tal ameaçar carinhosamente a criança cantando: "Dorme, neném/ Que a Cuca vem pegar..." Ora, faça-me o favor!!! Que bendito neném vai adormecer tranquilo sabendo que, a qualquer momento, a tal "Cuca" pode vir lhe pegar???



"Atirei o pau no gato-to / Mas o gato-to / Não morreu-re-reu / Dona Chica-ca / Admirou-se-se / Do berro / do Berro / Que o gato deu"...  Quem foi o maldito doente que criou essa “obra prima”??? Como se não bastasse o pobre do gato levar uma paulada e, surpreendentemente, não morrer, ainda tem a sádica da tal Dona Chica que fica admirada com o sofrimento do gatinho… Até parece uma apologia ao mau trato aos animais…

“Marcha soldado / cabeça de papel / quem não marchar direito / vai preso no quartel / O quartel pegou fogo / Francisco deu sinal / Acuda acuda acuda / A bandeira nacional"...  Nesta cantiga, o pobre soldado é xingado de “cabeça de papel” (ou seja, é chamado de burro e imbecil por tabela) e sofre ameaça de ser preso. Além disso, o tal Francisco, que avisa que o quartel está pegando fogo, ao invés de se preocupar com as pessoas, grita que o que tem que ser salvo é a bandeira nacional!!!... Ninguém merece!

“Era uma casa muito engraçada / Não tinha teto, não tinha nada / Ninguém podia entrar nela não / Porque na casa não tinha chão / Ninguém podia dormir na rede / Porque na casa não tinha parede / Ninguém podia fazer pipi / porque pinico não tinha ali / Mas era feita com muito esmero / Na Rua dos bobos número zero"...  Ora, convenhamos que o mestre Vinícius (de Moraes) só podia estar querendo tirar um sarro dos “bobos”… Para quê raios serve essa porcaria de casa?!?

 
“[…] O pato pateta / Pintou o caneco / Surrou a galinha / Bateu no marreco / Pulou do poleiro / No pé do cavalo / Levou um coice / Criou um galo / […] Caiu no póço / Quebrou a tigela / Tantas fez o moço / Que foi pra panela” E essa, então?!? O pobre (e violento) pato é um “exemplo” para qulquer criança, não é mesmo? Ninguém me tira da cabeça que, mais uma vez, o Vinícius (de Moraes) queria tirar um sarro quando compôs essa cantiga…
...

Argh!
Sinceramente, vou parar de pensar nelas para não enlouquecer...

Uma primeira versão deste texto, de minha autoria, está postado em http://drepente30.blogspot.com/, onde escrevo como convidada aos domingos. 
Caso desejo copiá-lo, sinta-se à vontade, porém peço a gentileza de que respeite a autoria e cite a fonte.
Grata.
Andréia B. Borba

21 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Deia,adorei!
    Olha,se eu fosse parar para analisar as cantigas infantis,eu enlouqueceria,pois trabalho com criança,imagina?
    Adorei seus questionamentos para cada uma,se formos parar pra pensar,é cada uma que aparece né?rs
    ótima semana,Flor!
    Um Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Hellen! Td bem querida?
    Ah, sim, de fato... Quando paramos para analisá-las acabamos percebendo o tamanho do absurdo, né?
    Não sabia que você trabalhava com crianças... Que bacana!
    Bjs querida! Déia

    ResponderExcluir
  3. Oi querida...

    adorei seu post....de verdade!!!!!!

    sempre tive uma tristeza qd cantava essas cantigas...pq sempre tinha alguém doente ou alguém apanhava...coisas lamentáveis...a pior pra mim era a do " cravo que brigou com a rosa" nunca entendia pq...

    grd beijo e ótima semana...valeu demais seu post!!!!!

    Zil

    ResponderExcluir
  4. Uhuuuu esse texto me lavou a alma!
    Andei pensando muito sobre isso esses tempos e é uma verdadeira crueldade certas cantigas que ficam no incosciente das crianças
    Esse tempos perguntei pro meu filho se ele tinha trauma do "boi da cara preta", pq em minha ignorância cantei isso pra ele kkkkk hoje ele tá com 18 anos e diz que não se lembra, mas bem que fiquei preocupada com minha insanidade daquela época afff como pude? e assim é a maioria das pessoas, não se tocam das coisas,quem dera naquele tempo eu soubesse o que sei hoje...mas...fazer o que né? me criei num meio conturbado e insano e graças á Deus hoje até que sou meio centrada rsss
    Ri muito aqui dos comentários das cantigas, foram perfeitos!
    Beijos pra ti!

    ResponderExcluir
  5. Olá Zil! Olá Isa! Como estão meninas?

    Zil, querida, sabe que eu também, sempre que cantava, ficava hooooooras pensando nelas e perguntando p/ todo mundo o "porquê" das coisas... Mas nunca entendi... Fico feliz que tenha gostado do post, querida! Bjs e boa semana!

    Isa, querida, de fato essas cantigas ficam impregnadas no nosso subconsciente de tal maneira que é impossível, ao ouví-las, não associá-las a algum episódio da infãncia...
    Eu lembro como se fosse hoje a minha indignação com a tal casa que não tinha nada... Ou o medo que eu sentia do tal BVoi da Cara Preta... gente! Que coisa, né? hehehehe!
    Bjs minha querida!

    ResponderExcluir
  6. Irene, querida, tive qualquer intenção, menos a de ser poética! Hehehehehehe! Bjs amada!

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga

    Há palavras
    que nos retonam ao tempo.
    Ao lado delas,
    existem também as vozes,
    os carinhos simples,
    as mãos,
    os cheiros...

    Que haja em ti sempre sonhos
    por sonhar.

    ResponderExcluir
  8. Deia

    nunca gostei destas "bobagens"...
    gostava de brincar de coisas que cansassem meu físico, não meu tico e teco...rsrs


    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  9. Oi Aluísio, Oi Loi!
    Td bem meus queridos?

    Aluísio, de fato, existem palavras com o poder de nos transportar para tempos idos, imemoráveis. Porém nem sempre isso é bom...

    Loi, querida, sabe que eu até gostava de brincar de roda? Só que depois, invariavelmente, ficava me questionando sobre as músicas...hehehehe! Bjs querida!

    ResponderExcluir
  10. ahahahah! Muito bom seu post! ahahah

    Realmente não tem o menor sentido, já tinha pensado sobre isso...

    Beijocas

    ResponderExcluir
  11. Déia querida,


    Sabe que eu quando era criança também não entendia e sempre perguntava...

    Hoje sofro com as perguntas da minha filha...rs

    Porque as cantigas ainda são as mesmas...rsrsrsrs

    Vai entender...

    Beijos

    Ani

    ResponderExcluir
  12. Oi Dama, oi Ani! Td bem meninas?

    Dama, que bom que gostou! E o pior é que não tem sentido algum mesmo, né?
    Credo! Hehehehe! Bjs querida!

    Ani, querida, e o que você responde p/ sua filha? Hehehehehe! Meus pais nunca respondiam minhas dúvidas...hehehehe! Bjs amada!

    ResponderExcluir
  13. Aaah Déia, adoerei o post, esse assunto é realmente muito intrigante.
    Canções bem 'estranhas' sem sentido, que não trazem nenhuma lição de bem.

    Muito interessante seu texto.

    Beeijo meu*
    Bom dia!

    ResponderExcluir
  14. Pois fazes muito bem em questionar as coisas que se papagueiam sem nos apercebermos do seu real sentido... e mensagem!

    ResponderExcluir
  15. Olá Nati! Olá mfc! Td bem meus queridos?
    Fico feliz que tenham gostado do post!

    Pois é, Nati, realmente não fazem sentido algum e, no entanto, são reproduzidas sempre... Curioso, não? Bjs querida!

    mfc, querido, é verdade... acabamos reproduzindo as coisas sem perceber e sequer pensamos acerca delas. Uma pena... Abraços querido!

    ResponderExcluir
  16. Oi.
    Gostei de seu texto, mas notei que você, de uma maneira geral, foi crítica de forma negativa com as letras das cantigas infantis.

    Acredito que hoje seja dificil perceber isso, mas quando foram criadas, essas melodias tinham uma razão de ser, uma simbologia que passava desde temores dos pais até a exorcisação de "espíritos malignos".

    Muitas dessas canções foram criadas na intenção de proteger as crianças.

    Na época de faculdade tivemos um período inteiro onde discutimos cantigas infantis e ditados populares, e acredite, a maioria deles não é o que parece ser.

    Não achei muitas referências, mas vale a pena dar uma pesquisada e visitar esse link abaixo, o único que encontrei durante minha rápida pesquisa.

    http://terra.cefetgo.br/cienciashumanas/humanidades_foco/html/educa%E7%E3o_cantigas_bessa.htm

    Parabens pelo blog.

    ResponderExcluir
  17. Olá Ferreira, tudo bem?
    Primeiramente, quero agradecer a visita, os comentários e a referência indicada.

    Li o texto da mestranda que você recomendou. São interessantíssimos os resultados aos quais sua pesquisa chegou.

    Em meu texto, escrevi de forma livre e despretensiosa, sem qualquer intuito de cientificidade. O texto baseia-se, somente, em opinião e memória pessoal e este é o motivo pelo qual minha visão acerca das cantigas tenha sido tão negativa.

    Concordo com o que disse o sr. Jurado Filho (pesquisador da UNICAMP) acerca do fato de as cantigas conterem muitas implicações ideológicas que vem sendo reproduzidas há gerações. Também sei que a concepção de infância que temos hoje é completamente diferente da que tínhamos há não muito tempo atrás e, parece-me, esse é justamente o ponto.
    As cantigas permanecem as mesmas (com, obviamente, algumas modificações), ainda que em um contexto diferente.

    De qualquer modo, esse é um assunto que me desperta muito interesse, o que me leva, novamente, a agradecer-lhe pela sugestão de leitura.

    Um grande abraço, meu querido e volte sempre!

    Déia

    ResponderExcluir
  18. uhauahuahuahau ja trabalhei com criancas e isso sempre foi uma coisa que me intrigou... kkkkkkkkkkkkkkk
    Quem sera que inventou essas cantigas malucas?!
    Foi a Santa Inquisição certeza!!!! kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  19. Hehehehehe! Cami, Cami... Só você mesmo!
    ;-)
    Adoro você!
    Bjs!
    Déia

    ResponderExcluir
  20. Muito legal....realmente essas músicas são muito estranhas, não tem nada de educativo, quem as criou acho que não gostava muito de crianças kkkkk

    ResponderExcluir

"Onde eu não estou
as palavras me acham."
Manoel de Barros

Olá! Fico muito feliz pela sua visita! Responderei ao seu comentário por aqui, portanto volte logo, sim?
Um abraço apertado a todos que por aqui passarem!
Déia
PS: Não esqueça de deixar o link do seu blog no Mural de Devaneios (Mural de Recados) para que eu possa retribuir sua visita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Real Time Analytics