quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A lâmina quente do CIÚME


Dói, dói tanto que parece uma lâmina quente atravessando a carne. O ciúme, com seus mil tentáculos, rouba a clareza, a lucidez, a inteligência. Você pode ser doutor em filosofia. Pouco adianta. Esse sentir dilacerante nada tem a ver com a razão. Ele se instala dentro da alma sem pedir licença, vira tudo de cabeça para baixo e se torna dono absoluto das suas ações. Amigos se mobilizarão para mostrar o absurdo do que está acontecendo. Pura perda de tempo. Por mais que um resquício de sanidade ainda tente abrir caminho dentro de você, ele será rapidamente derrotado.
Sim, as pessoas podem matar por ciúmes, pois ele flerta com a loucura. Não é preciso ter folheado as páginas de Em Busca do Tempo Perdido, de Proust, o mais alentado estudo sobre o tema, para saber disso. Argumentos não valem contra um poder que se alimenta da destruição. Conheci pessoas que perderam centros vitais só porque uma suspeita de traição pairava sobre a criatura amada. O ciúme nasce com a força maligna de um câncer, contaminando todas as horas. Alguns, ainda protegidos pelo desejo de se salvarem, buscam na terapia uma possibilidade de tomar consciência do absurdo que vivenciam. Porém, no mais das vezes, ele vai embora quando quer, à revelia de nossa vontade.

Querer alguém com a voracidade de um lobo faminto. Não conseguir mais comer direito, pensar incansavelmente no objeto da nossa paixão, não conseguir sequer trabalhar, quase não dormir mais à noite. Tal é o estado em que se encontram aqueles que contraíram essa espécie de vírus que cresce, cresce e domina tudo. Só quem já sentiu sabe: é o corpo que padece, que se retorce, que inaugura a tristeza nos olhos e paralisa os membros. O ciumento tem certeza absoluta que pode morrer disso de uma hora para outra. A respiração se torna mais curta, o peito arfa, as mãos se crispam. É o fim encontrando seu objeto, o aniquilamento dando bom-dia à sua vítima.
Esqueça a lógica, a prudência, a palavra que equilibra e aquieta. O ciúme brigará com todas elas. Quando chega a cura para essa enfermidade, não será incomum nos perguntarmos: “Como eu posso ter sido tão insano?” Percepção tardia, que pertence aos convalescentes, não àqueles que continuam caminhando no inferno. Para esses, é normal ter alucinações, imaginando que a qualquer hora podem ser trocados por outro. O inimigo mortal. Vigiam, na esperança vã de que seu radar emocional acuse qualquer indício que os autorize a atacar. Já não são mais seres civilizados. Retrocedem. É o animal ainda não polido pela cultura e pela convivência saudável que passa a ocupar todos os espaços.
Já vi homens e mulheres padecendo dessa dor. E ambos agem rigorosamente da mesma forma. Os instrumentos de que se valem podem ser diferentes, mas não o estado alucinatório em que mergulham. Talvez eles usem com mais frequência a força física, agredindo, em muitos casos, enquanto elas fazem manobras secretas para tirar do jogo quem as está impedindo de viver o seu amor.

Não existem teóricos do ciúme. Só se pode falar dele já o tendo experimentado. Sinto calafrios ao pensar que quase me especializei nisso. Hoje sou como um desses ex-viciados que estão bem, mas não podem se aproximar da droga novamente. As relações mais duradouras, que atravessam os anos, costumam aplacar em nós essa doença, pois outro nome não se pode dar.

Tenhamos compaixão de todos os ciumentos da terra. Eles padecem dos piores suplícios que se possa imaginar. Sabem que a lâmina é mortal, mas mesmo assim continuam enterrando-a cada vez mais fundo em seu próprio peito.

Texto de Gilmar Marcílio, extraído DAQUI.


13 comentários:

  1. Eu sou ciumenta com minhas coisas e "minhas" pessoas...às vezes, sofro bastante com isso!
    Tem novis no meu cantinho; qdo puder, passa lá. Bjs e fik c Deus.

    ResponderExcluir
  2. Eu também Déia, sou como uma ex viciada, e pra sabermos se estamos curadas só o tempo ou novas situações dirão.
    O bom é que vamos amadurecendo e hoje já temos uma nova maneira de lidar com as coisas.
    Mas como dizem...nunca temos certeza de nada, então só sei que nada sei...
    Beijos e bom dia pra ti!

    ResponderExcluir
  3. Oi Nana, Oi Isa!

    Pois é, meninas... Realmene não é fácil conseguir dominar o ciúmes...
    Penso que, no fundo, todos somos um pouquinho "doentes" dele...

    Beijos flores!

    ResponderExcluir
  4. Gostei do texto, e acho muito difícil controlar o ciume seja ele de qualquer forma. Eu ja fui muito ciumenta com minhas coisas,mas acredito que foi mais uma forma de cuidar.Acho que todo ser humano carrega consigo o ciume. Gostei muito do seu espaço e vou estar a te seguir.Convido a conhecer meu blog, e se gostares me siga também. Um abraço e ótima quinta.

    Smareis

    ResponderExcluir
  5. Se os ciumentos causassem suplícios só a si mesmos...o pior é que atormentam e cravam lâminas no peito do seu "objeto" de ciúmes também.

    Beijos enormes Déia!

    * Que bom que você se livrou de uma "gaiola" isto é louvável, nem todos conseguem.

    ResponderExcluir
  6. Olá Smareis, olá Van!

    Smareis, concordo com vc. Acredito que todos somos, em algum nível, ciumentos com aquilo que prezamos. o problema é quando esse ciume tornar-se excessivo e nos sufoca.
    E, nesse ponto, concordo também com você, Van. O problema é que o ciúme acaba por ferir também aqueles que são alvo dessa doença...

    Smareis, fico feliz que tenha gostado daqui! Seja sempre muito bem-vinda! E vou já já conferir seu espaço, ok? Bjs flor!

    Van, querida, posso dizer, com plena certeza, que foi uma das tarefas mais difíceis da minha vida me libertar da "gaiola" e, ao mesmo tempo, uma das mais compensatórias! Bjs flor!
    Déia

    ResponderExcluir
  7. Certa vez li a seguinte frase: "O ciúme é coisa do diabo." Depois que li essa mensagem, ela ficou internalizada em mim, grudada, feito tatuagem. Nunca mais permiti que o ciume me cegasse, embora ele tente, às vezes. Quando a gente gosta, teme perder. E isso é saudável. O excesso é que torna a coisa perigosa e às vezes até incontrolável, transformando o amor em posse. Aí é fim de linha!

    ResponderExcluir
  8. Tudo muito interessante por aqui,
    Gostei muito mesmo.
    E te convido para conhecer meu espaço, caso queira dar uma olhada, seguir..;

    http://www.bolgdoano.blogspot.com/

    Muito Obrigada, desde já.

    ResponderExcluir
  9. Prezada amiga
    Hoje vim lhe agradecer pela sua linda e carinhosa presença lá no meu cantinho, através de um simples selinho, 300 seguidores , feito com muito carinho.
    Agradeço-lhe de todo o coração!
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  10. É... se ciúme fosse algo simples, não haveria estudos e reportagens sobre ele. Achava que eu não era, mas depois percebi que tenho sim, um pouco mas tenho; o suficiente para me machucar às vezes e depois cicatrizar que até acho bom, pois assim vou ter uma marca para lembrar que tenho e o que já causou para poder me ajudar a controlar.

    ResponderExcluir
  11. Meus queridos, o ciúmes é e sempre será um assunto polêmico...
    Poucas pessoas admitem que o sentem... e, no entanto, penso que todos estamos sempre a lutar com ele...
    Bjs a todos!
    Déia

    ResponderExcluir
  12. De regresso de umas curtas férias vim deixar um beijinho!

    ResponderExcluir

"Onde eu não estou
as palavras me acham."
Manoel de Barros

Olá! Fico muito feliz pela sua visita! Responderei ao seu comentário por aqui, portanto volte logo, sim?
Um abraço apertado a todos que por aqui passarem!
Déia
PS: Não esqueça de deixar o link do seu blog no Mural de Devaneios (Mural de Recados) para que eu possa retribuir sua visita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Real Time Analytics